Hélcio da Silva Lessa

CONVITE À VIDA

EU GOSTARIA QUE AS GERAÇÕES SOUBESSEM QUEM FOI HÉLCIO DA SILVA LESSA


Não importa se você o conheceu. Você ainda ouve os seus sermões. Você ainda navega na cultura que implantou aqui. Você ainda é pastoreado por Hélcio da Silva Lessa, que aqui pontificou de 1962 a 1992, ano em que se tornou emérito. Desde o dia 5 último, ele saiu da emerência para entrar na memória, de onde não mais sairá.

Quem o conheceu tem guardadas as suas lembranças.

Tenho-as.

Numa delas, descíamos, alguns seminaristas, para ouvir suas exposições bíblicas nos cultos de quarta-feira. Queríamos aprender como aquele homem tirava leite de pedra, porque alguns textos pareciam secos demais para inspirar alguém, mas ele fazia com que deles jorrassem a água da graça. Como dizíamos à época, "bebíamos de balde". Na volta para cima, os comentários eram sempre de admiração.

Noutra, eu chegava à igreja, já no terceiro ano (os dois passados na Primeira de Marechal Hermes), para ser seminarista. Apresentei-me para receber as instruções. Sua resposta me desesperou:

-- Escolha os seus caminhos.

Bem mais tarde, seu gabinete (utilizada hoje pela Visão Ministerial do Crescimento) era onde se reunia o conselho (composto por David e Erotildes Malta Nascimento, Darci Dusilek, José Carlos Torres e Luiz Curvacho, além do próprio Hélcio) da efêmera e relevante revista "Missão", voltada para o compromisso social, tentando ser nos anos 80 o que décadas antes foram Diretriz Evangélica, Juventude e Cristianismo Hoje. O mais novo deles (abaixo assinado) era o editor, desesperado com tantas discussões e poucos textos para a revista.

Conheci muitas mentes brilhantes, à sombra das quais pus meu banquinho. No alto da galeria está Hélcio da Silva Lessa. Uma das minhas tristezas da minha foi ver este brilho se apagando. Visitá-lo no hospital (onde precisou estar algumas vezes) ou em casa era um trampolim para a tristeza. Cadê aquela ironia fina e rápida? Cadê aquelas palavras vivazes? Dois dias antes da minha cirurgia, estive com ele, para sair com a mesma tristeza. Passei na sua casa a manhã que se seguiu à madrugada de sua silenciosa saída de cena, com o corpo, que não olhei, sobre a cama. No culto à noite, em gratidão por sua vida, não fixei nele os meus olhos. Quando, na manhã final, as pétalas o cobriram, antecipando a grama verde que o guardará, não lhe dirigi meu olhar. Para que na minha memória aquele brilho não se apague. É o que eu peço a Deus.

ISRAEL BELO DE AZEVEDO

***
TEM MENSAGEM PARA VOCÊ

HELCIO DA SILVA LESSA, O DOUTOR GRAÇA

ISRAEL BELO DE AZEVEDO

Publicamos alguns textos que fazem um imperfeito perfil do pastor Hélcio da Silva Lessa, falecido em sua casa pouco antes das três horas da manhã do dia 5 de junho de 2009.

HÉLCIO DA SILVA LESSA nasceu em Campos, no interior do Estado do Rio de Janeiro, no dia 9 de agosto de 1926. Na juventude, mudou-se para a capital, cidade em que viveu a maior da sua vida, ligada inseparavelmente à história da Igreja Batista Itacuruçá, da qual foi seminarista e pastor.

Foi esta igreja que o recomendou ao Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil em janeiro de 1947. Formado, seu primeiro pastorado foi exercido na Igreja Batista em Vigário Geral (1951-1953). Pouco depois, já casado com Odete Faria Lessa (com quem teve Dalton e Cristina, mãe de Marianae André) em 5 de junho de 1952, ele foi enviado pela Junta de Missões Estrangeiras (hoje de Missões Mundiais) da Convenção Batista Brasileira para servir no campo português, onde esteve por nove anos. Um dos resultados foi a fundação da Terceira Igreja Batista de Lisboa, em 1956.

Voltou ao Brasil para pastorear a Igreja Batista Itacuruçá, tendo tomado posse em 13 de maio de 1962, quando a igreja tinha perto de 600 membros. Sob sua liderança, a igreja ampliou as áreas de atuação do seu ministério, tornando-se uma referência em várias áreas. Uma das marcas do Pr. Hélcio foi a ousadia. Nos anos 70, além do jornal "Cristianismo hoje" (de concepção ideológica e gráfica adiante do seu tempo), a igreja promoveu a "entrada triunfal de Jesus na Tijuca", com ampla distribuição de porções ilustradas do Novo Testamento em casas, escritórios e consultórios do bairro. Três igrejas (Liberdade, 20.1.1968; Independência, em 27.7.1968, e Primeira do Grajaú, em 8.8.1978) e duas congregações (Casa Branca, depois Getsêmani, em 1984, e Caçavava, em 1985) foram organizadas. Outras igrejas fora da cidade do Rio de Janeiro receberam apoios expressivos com recursos humanos e financeiros. Durante alguns, pioneiramente, a igreja manteve na rádio Copacabana o programa "Caminhos de Esperança".

Além da paixão por missões e pela evangelização, o coração do Pr. Hélcio, e com ele o da igreja, pulsava pelo entendimento do mundo e pelo compromisso social. Infatigável na busca pelo conhecimento (como o revela sua extensa, variada e atualizada biblioteca), além de teologia, estudou Ciências Econômicas e Administrativas (curso único à época), Direito e Psicologia, o que lhe permitiu ser um requisitado professor em vários cursos de especialização ministrados na área administrativa por universidades e setores de treinamento de empresas.

Na teoria, seu interesse está demonstrado no único livro que escreveu, totalmente avançado para a época: "Ação Social Cristã". Na prática, apoiava todas as iniciativas, e tomava algumas delas, que tornasse a igreja relevante na comunidade, como o evidencia o "Clube Jovem", que, entre 1971 e 1990, reunia na igreja adolescentes e jovens que eram alimentados, instruídos biblicamente, orientados, alfabetizados e capacitados para a vida profissional.

Ao mesmo tempo em que liderava a igreja, o Pr. Hélcio desenvolvia uma liderança marcante entre os batistas brasileiros, sobretudo com seu chamamento ao compromisso social. Entre suas atuações está a participação no movimento "Diretriz Evangélica", que propunha precisamente a indissociabilidade entre a evangelização e a ação social. Outra importante participação foi no ensino teológico, tendo atuado como professor do Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, onde ensinou sobretudo "Administração Eclesiástica", de 1978 a 1985.

O pr. Hélcio conduziu a igreja por três décadas, tendo se tornado pastor emérito da igreja em 27 de dezembro de 1992. Depois de sua aposentadoria, continuou como membro da igreja, pregando de vez em quando, enquanto sua saúde o permitiu.

Eis, em síntese, os dados que ajudam a compor o perfil do Pr. Hélcio da Silva Lessa, perfil que, agora, na primeira pessoa, posso expandir, por minha conta e risco, embora muitos outros pudessem fazê-lo melhor que eu.

Hélcio foi o mais brilhante expositor bíblico que conheci. Ele abria uma passagem bíblica, lia-a e, como poucos, tirava dela impactantes direções para a vida. Seu estilo era inconfundível. Dos seus lábios não saía o óbvio.

Helcio foi a mente mais brilhante que conheci. Ele "adorava" debater idéias e não havia a menor chance de o outro ganhar. Ele era muito rápido. Não era esnobe (pelo que não citava autores, para obter autoridade), embora estivesse em dia com a agenda intelectual de sua época. Tudo soava muito simples na sua boca, sem afetação.

Hélcio foi um mestre da palavra dita. Seu humor era delicioso. Sua ironia, irresistível. Seu sarcasmo, necessário. No entanto, ele não usava esta capacidade para rir dos outros, mas para rir com os outros. Seu alvo nunca era humilhar, mas apenas relativizar as muitas certezas que tantos carregam. Hélcio era uma alma inquieta que (se) interrogava sobretudo a si mesmo.

Hélcio foi um modelo de pastor como devem ser os pastores, à frente do seu tempo e distante das "fórmulas de sucesso". Quanto tantos olham para dentro, ele olhava para fora. Quanto tantos olham para si mesmo, ele cantava: "em nada ponho a minha fé, senão na graça de Jesus". Quando alguns miram cargos, ele buscava deixar o seu recado, agradasse ou não. Quando alguns caçam os pecadores, como faziam os fariseus, ele não julgava, mas pastoreava como Jesus, a quem preferentemente chamava de "Mestre".

Ele tinha o seu modo de pregar, o seu modo de aconselhar, o seu modo de liderar.

***

QUERIDA ODETE, FILHOS E NETOS

LUIZ ANTÔNIO CURVACHO


Recorremos à caneta como meio de, sufocando a dor e dominando as emoções, trazer-lhes nossa palavra de consolo, neste momento de profunda tristeza.

A partida de Hélcio -- pastor e amigo -- de tal forma nos comove que nos sentimos sem forças para coordenar o pensamento e traçar o perfil de nossos sentimentos e emoções.

Os laços que nos uniam eram amplos e vigorosos. E tudo acontecia normalmente. No início de nosso relacionamento, levando vantagem de um ano, ei-lo economista pela faculdade de economia da Fundação Getúlio Vargas, mas não era a economia a sua vocação. Chamado por Deus para o ministério da Palavra, veio a ser um dos mais dedicados mestres, no STBSB.

Como pastor da Igreja Batista Itacuruçá, o pastor Hélcio da Silva Lessa contou, sempre, com a nossa colaboração, tanto como diacono ou exercendo variados cargos, durante cerca de 40 anos.

Os acontecimentos mais marcantes de nossa vida ocorreram envolvendo o pastor Hélcio. Ele emprestava brilho e valorizava os acontecimentos quando celebrava nossas bodas de prata e de ouro, nos casamentos de nossos filhos e nos batismos de nossos filhos e netos.

Jamais esqueceremos sua postura no púlpito: em pé, pregando sempre com a Bíblia aberta na mão esquerda.

Somos gratos a Deus pela camaradagem que sempre reinou entre nós.

(Mensagem lida no culto no dia 5 de junho)

***

ASAS DE PRATA

DARIA GLAUCIA VAZ DE ANDRADE

Em tarde azul, noite estrelada ou radiosa manhã, uma solitária e altiva ave rasou os céus do vale do Paraíba e jogou-se na desconhecida amplidão.

Canaviais ao vento, fumaça de usinas e cheiro doce de melado, açúcar e goiabada, ficaram pra trás. Longe, a infância, o amor e as bênçãos do lar. O predestinado descendente de pioneiros batistas, privilegiado por inteligência aguda e consciente visão, o filho de dona Hermínia do sr. Daniel, possuía asas. Essas asas - pensava a jovem mãe - teriam forças um dia para ultrapassar as montanhas fluminenses e sobrevoar os Andes, os Pirineus ou a Serra da Estrela.

Corriam os anos dourados de 50. Hélcio chega à universidade para cursar Economia. Iniciava, sem que o pressentisse, sua liderança entre a mocidade batista. Florescia a mocidade forte de Itacuruçá, pioneira de vários eventos, dentre eles o retiro espiritual do carnaval, primeiro havido no Brasil. Esse evento mudou o caminho do ambicioso sonhador. Ingressou no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil.

Consciente de sua missão, espírito irônico, contestador, visionário e corajoso, o jovem seminarista, com outros líderes de sua geração, organizou o 1º e o 2º Congresso Nacional da Mocidade Batista e mais tarde um dos mais memoráveis acontecimentos evangélicos do Brasil: o CONGRESO MUNDIAL DA JUVENTUDE BATISTA, no Rio de janeiro. De movimentos tais nasceu O JOVEM BATISTA, jornal de tamanho pequeno e conteúdo gigante, certamente porta-voz da mocidade da época, depois transformado na revista Juventude.

Já pastoreando a Primeira Igreja Batista de Vigário Geral, Deus reacende no coração de Hélcio outra chamada. O pássaro voava aos céus de Portugal, como missionário. E lá se foi o albatroz, levando sob as asas a companheira eu lhe dera o Senhor - Odete Faria Lessa - amor da adolescência, amor da juventude, amor da vida inteira.

Dez anos depois volta ao Brasil, deixando em Portugal trabalho sólido: três novas igrejas dentre as quais a Terceira Igreja Batista de Lisboa, a maior do país. Hélcio e Odete até hoje colhem os frutos de sua messe, com a gratidão e o amor dos crentes portugueses.

Há 25 anos o pássaro planou na colina de Itacuruçá. Trazia a convicção, a vontade de Deus no seu destino. O lar, com Dalton e Cristina, foi acrescido com Rogério e Ana. Para alegria geral a ave ser torna coruja para amar Mariana e André, netos queridos.

Itacuruçá subiu morros, acolheu seminaristas e iberistas e abriu novas frentes missionárias. Ensinou através dos cursos do Clube Jovem, de Enfermagem, de liderança e outros mais. Emprestou seu pastor para professor do Seminário do Sul e para Juntas da Convenção Batista Brasileira. Foi louvado e humilhado, foi acolhido e rejeitado. Muitas vezes incompreendido, perdoou sempre e sempre teve forças e fé para novos vôos.

Suas visões foram além dos bancos da Igreja, para os oprimidos da terra aos quais Cristo pode alcançar através da ação social. Suas preocupações pelo ser humano em suas carências, valeu-lhe interpretações descaridosas e críticas mordazes. As asas receberam raios e pedradas. Às vezes se recolheram sangrando, e outras vezes alçaram vôo e se tornaram como as da água: renovadas na força dos que esperam no Senhor.

Vinte e cinco anos. O pastorado foi cadinho e buril, escudo e cajado, tempestade e refrigério para a sua vida e para a sua Igreja, hoje mais rica com as Igrejas-filhas.

Ao Senhor teu Deus e nosso Deus louvamos, Hélcio da Silva Lessa, pelas tuas asas de prata.

(Lido por ocasião das comemorações do jubileu de prata do ministério do pr. Hélcio na Igreja Batista Itacuruçá, em 13/5/1987)
***

TESTEMUNHOS SOBRE O PR. HÉLCIO LESSA

Eis alguns testemunhos sobre a vida do pastor Hélcio.
"O Pr. Hélcio da Silva Lessa foi meu primeiro pastor. Ainda em 1979 quando tinha alguns meses de idade, foi quem me segurou no colo e orou a Deus por mim e pela minha família quando fui apresentada na Igreja Batista Itacuruçá.

Era quem ia nas escolas dominicais e sentava conosco, as crianças daquela época, para falar do amor de Deus. E o fazia com uma enorme serenidade e paciência. A paz que ele transmitia era contagiante. Suas pregações eram muito abençoadoras e se fazem presentes em diversos momentos em minha vida.

O pastor Hélcio foi quem me batizou nas águas. Quem eu encontrava todos os domingos e

quartas-feiras nos cultos, fazendo parte da minha infância, adolescência e juventude. Foi o pai que eu não tive. Um exemplo de pessoa que estará para sempre na minha memória e no meu coração".

SARAH KITCHENMAN

"O Pr. Hélcio Lessa foi uma grande inspiração para nossa família. Podíamos contar sempre com seus conselhos. Com sua cultura, elegância, delicadeza e sabedoria, ele tinha sempre a palavra certa para a hora certa.Ele batizou os nossos filhos e os netos brasileiros. Celebrou o casamento de alguns e nossas bodas de prata e de ouro de meus pais, na mesma ocasião. Esteve sempre presente nos momentos mais significativos de nossa família. Marcou a vida espiritual de cada um de nós e por isso somos muito gratos a Deus por sua influência em nossas vidas".

HELVÉCIO, ALCALY ANDRADE E FAMÍLIA

"Um pastor que exercia a misericórdia. Nunca ouvi ele falar em excluir algum membro de sua Igreja. Ele falava que aquele que estava ligado apenas por um fio à Igreja, não seria ele quem iria cortar esse fio. Pastor que dava liberdade de ação aos seus colaboradores, dizia: 'veja o que você acha que é o melhor para ser feito'.

Realmente estava à frente de seu tempo.

Dizia ele: 'Quando estiver no pupito da Igreja e deixar de temer e tremer diante de Deus e dos irmãos é sinal que preciso parar'. Essa era a responsabilidade que ele tinha em falar das coisa de Deus".

ANTÔNIO CARLOS MATHEUS

"Durante dois anos, ou seja, de 1964 até 1966 ele me recebia todas as quartas-feiras à tarde para conversarmos sobre a Palavra e, assim, eu (...) poder, livremente, ser batista. A tranqüilidade que isto me propiciou, além da mudança na qualidade do amor de Deus, me dá uma paz interior muito grande. Eu não fui somente pastoreada pelo Pastor Hélcio. Ele foi também um grande amigo. As palavras não traduzem todo o meu sofrimento em relação à doença e ao falecimento do grande amigo Pastor Hélcio. O que me conforta é a certeza de ele estar no Reino de Deus".

CÉLIA MARIA GUIMARÃES SCHNETZER

"Damos graças a Deus por todas as lembranças que temos do pastor Hélcio. Para mim e para a Claudia, ele foi pastor, mesmo pai, em tantos momentos em que nos encontramos em encruzilhadas e apertos na vida. Como celebrou conosco, Claudia e eu, nossos momentos de sucesso! Quantas lições deixadas -- me lembro com apreciação sua mensagem sobre a multiplicação dos pães (Oração e ação): 'Dai-lhe vós de comer'. Eu me recordo que fui até ele e pedi permissão de usar seu esboço. Sua resposta, com um sorriso "sério", foi: esta palavra não é minha, é da Bíblia. Use quantas vezes quiser e precisar!"

RENATO BERNARDES

"Lembrei as muitas vezes que desci a rampa do Seminário só para participar dos cultos de quarta-feira, onde seminaristas e iberistas 'bebiam' a Palavra tão clara e criativamente exposta pelo Pr. Hélcio.

Lembro de ter ouvido inúmeras vezes palavras de testemunho tão significativas e vibrantes de irmãos portugueses (pastores e leigos) acerca do seu trabalho missionário em Portugal. Ele foi um grande Embaixador de Cristo em Portugal, realizando um abençoado trabalho de apaziguamento e conciliação entre líderes desavindos, firmando também as estacas do trabalho da Juventude Batista portuguesa. O trabalho batista em portugal celebrou 120 anos em 2008. Na resenha histórica apresentada na última Assembléia da Convenção Batista Portuguesa (a que tive acesso hoje), o nome do Pr. Hélcio da Silva Lessa é lembrado com muito carinho e admiração.

Fiquei muito feliz em rever alguns pastores falando no culto, particularmente o Dr. Davi e o Dr. Olavo. Esses dois homens de Deus me fizeram lembrar nossos tempos de estudantes.

Concordo com você, quando afirmou que com o Pr. Hélcio foi-se uma época. Talvez, de alguma forma, esta época não se tenha ido totalmente, mas ainda perdure com a vida de Davi Malta".

DINÉ RENÉ LOTA